Importância do planejamento estratégico para microempresas

Tempo de leitura: 6 minutos

O Brasil é um dos países mais empreendedores do mundo. Rankings internacionais renomados, como o Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e o Approved Index, por exemplo, nos classificam como uma das nações em que mais negócios são abertos.

No entanto, mesmo com a veia empreendedora, parece que ainda enfrentamos uma série de problemas para conseguir o sucesso no meio empresarial. O que acontece é que muitas organizações fecham prematuramente no país.

Para se ter uma ideia, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que 6 em cada 10 negócios estão destinados à falência antes mesmo do 5º ano. Muitos especialistas procuram motivos para o problema: em alguns casos, a má gestão financeira é apontada como a grande vilã. Em outros, a dificuldade dos negócios do país em se adaptar ao mercado e inovar se destaca.

O fato é todas as causas, reunidas, compõem o motivo para o fracasso dessas empresas. Mas como fazer para manter um empreendimento resiliente e ficar bem longe dessas tristes estatísticas nacionais?

A resposta para essa pergunta é bem simples: o planejamento estratégico é a atividade na qual devemos focar. Afinal, é nesse momento que definimos o norte da organização e o que é indispensável para realizarmos uma gestão proativa.

Sabendo disso, resolvemos trazer, no post de hoje, tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Confira!

Afinal, o que é o planejamento estratégico?

Se observarmos uma organização padrão, poderemos perceber que, normalmente, ela possui três níveis. O primeiro é a cúpula administrativa, conhecido como nível estratégico. Depois, temos as gerências, consideradas como um nível tático. Por fim, temos os colaboradores, que ocupam o nível operacional.

Em cada uma dessas colocações, devemos realizar um planejamento específico, que terá características próprias. A gestão do negócio deve estabelecer o planejamento estratégico da empresa, que é o eixo que orienta todos os outros planos de ações.

Basicamente, estamos falando de uma organização voltada para o longo prazo. Nela, definimos objetivos e metas, além, é claro, de planos de ação que deverão ser finalizados com o decorrer do tempo.

Porém, o planejamento estratégico possui, ainda, algumas peculiaridades. É apenas nesse nível de planificação que vamos definir a missão, os valores e a visão do negócio. Basicamente, a missão é o impacto que a empresa pretende causar na sociedade, isso é, o que ela propõe solucionar no mercado.

Os valores, por outro lado, são os códigos de ética e conduta que devem ser seguidos por todos os profissionais. Por fim, temos a visão do negócio, que representa onde a companhia espera estar no futuro.

Como traçá-lo?

É claro que o planejamento estratégico deve ser pensado da melhor maneira possível, para conquistarmos os resultados esperados. Não basta definir as metas e os objetivos com base na intuição: é preciso levantar os dados necessários para a tomada de decisão. E é justamente por isso que resolvemos trazer algumas dicas! Confira:

Elabore a análise SWOT

A primeira ferramenta para estabelecer um bom planejamento estratégico é a análise SWOT (Strengths, Opportunities, Weaknesses and Threats), que, em português, pode ser traduzida como análise FOFA (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças). Basicamente, o objetivo desse tipo de ação é avaliar o ambiente interno e externo.

Na parte interna, devemos identificar as forças e as fraquezas do nosso negócio. Avaliações dos fluxos de caixa e dos processos internos, por exemplo, são indispensáveis. Já externamente, as oportunidades e as ameaças devem ser o foco.

Podemos estudar indicadores financeiros, por outro lado. Com essa avaliação, é possível definir qual será o centro de nossas estratégias e, afinal, conhecer bem o cenário em que a empresa está inserida.

Defina metas inteligentes

Outra dica importante é definir metas inteligentes para o negócio. Elas são conhecidas como Smart Goals. A palavra smart, em inglês, funciona como uma sigla, contendo todos os elementos que devem estar presentes em uma meta.

Os itens primordiais são: especificidade, mensurabilidade, atingibilidade, relevância e temporalidade. Se as metas definidas no planejamento estratégico possuem essas características, elas estão dentro da realidade e você conseguirá cumpri-las.

Faça o benchmarking

Temos que considerar, ainda, a realização de um benchmarking para garantirmos o sucesso do planejamento. Essa é uma análise de mercado, na qual comparamos processos de empresas concorrentes, de departamentos internos e até de parceiros para procurar as melhores práticas disponíveis no mercado.

Evidentemente, o benchmarking não se trata de um processo de cópia, mas sim de análise. Devemos observar o mercado para adaptar o que é feito por outras companhias à nossa realidade.

Use a tecnologia

Para concluir, é importante mencionar a tecnologia durante o processo de elaboração do planejamento estratégico. O motivo é muito simples: para definirmos metas, objetivos e planos de ação com precisão, é fundamental contarmos com dados relevantes, que possam embasar as decisões.

Os sistemas disponíveis no mercado nos ajudam a administrar todos esses dados com precisão. Isso agiliza bastante a coleta e, principalmente, a análise.

Por que devo fazer um planejamento do tipo?

Para concluir o artigo de hoje, resolvemos trazer alguns dos principais motivos para que você trace o planejamento estratégico de seu negócio. Assim, será possível entender a importância desse tipo de ação, principalmente para se manter longe daquelas estatísticas que mencionamos anteriormente. Então, confira:

Melhore a gestão de tempo

Em primeiro lugar, o planejamento estratégico é indispensável para melhorarmos a gestão de tempo. Mas o que isso significa? É nessa atividade que definimos as tarefas realmente importantes para o negócio, isso é, aquelas que possuem alto valor agregado. Assim, podemos evitar situações de urgência e realmente priorizar o que deve ser feito.

Garanta a eficiência

Outro grande benefício do planejamento é a garantia de eficiência no negócio. Afinal, estaremos com processos alinhados, livres dos indesejáveis gargalos de produção. Como sabemos exatamente o que desejamos, reduzimos, ainda, o desperdício de recursos em ações que não trarão os resultados esperados.

Aumente a produtividade

Por fim, é com o planejamento estratégico que garantimos a produtividade do negócio no longo prazo. Isso porque os colaboradores estarão envolvidos com um projeto claro e transparente.

O time, portanto, destinará toda a sua energia para atender às expectativas do empreendimento. Além disso, ao desenharmos com cuidado cada um dos processos, principalmente com o apoio da tecnologia, certamente otimizaremos o desempenho de toda a organização.

E você? Gostou de saber mais sobre a importância do planejamento estratégico? Que tal conferir, agora, qual é o melhor regime tributário para pequenas empresas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *