História da Automação Comercial – Parte 3

Tempo de leitura: 4 minutos

Porque entender a história da automação comercial vai ser útil para você? Para entender como gastar menos no investimento e manutenção da sua regulamentação fiscal. Automação Comercial e Cupom Fiscal andam lado a lado. Um(a) bom(boa) empresário(a) deve conhecer bem o contexto de negócios em que está se arriscando, e a parte tributária é uma das mais complexas e difícil de todas. Dominar essa trajetória vai ajudá-lo(a) a entender porque a legislação atual foi arquitetada dessa forma. Espero que a série “História da Automação Comercial” o ajude a conhecer melhor seu campo de batalha! 😉 Na terceira parte, a ECF entra em cena e o setor se desenvolve e cresce ainda mais.

E aí pessoal, tudo bem? Bom, nesta parte de nosso e-Book vamos falar de duas situações simultâneas e que, de certa forma, mudaram para sempre a cara do mercado de automação comercial e AIDC no Brasil: o início da obrigatoriedade do uso de Emissores de Cupom Fiscal (ECF) e a entrada dos Distribuidores no cenário de nosso mercado.

O início da obrigatoriedade do ECF
impressora fiscal
a famosa impressora fiscal… igual desde 1990!

O ano é 1997. O governo Federal em conjunto com os governos estaduais regulamenta o uso de impressoras fiscais no Brasil. Embora o projeto já tenha começado alguns anos antes e algumas grandes redes de varejo já tivessem adotado a tecnologia, foi em 97 que os governos começaram a atuar de forma mais enfática na fiscalização e na obrigatoriedade do uso dos ECFs.

Isso porque, a partir da abertura de mercado e da estabilização da moeda corrente (real) o varejo brasileiro começou a deslanchar e, o que era um embrião de um mercado varejista nos anos 80, começou a se transformar em um grande mercado nos anos 90. E o governo, é claro, estava interessado em garantir uma arrecadação de impostos eficiente.

O modelo do ECF, copiado do modelo italiano, começou a ser desenvolvido no Brasil no início dos anos 90, e em 94 o uso começou a acontecer de forma optativa. O Fisco, em parceria com alguns varejistas, aperfeiçoou o projeto e, em 97, começou a incentivar o mercado ao uso.

O nascimento dos distribuidores e de um grande player

A partir deste momento temos, então, um grande mercado: a implantação de ECFs no varejo de hiper, grande e médio portes. Como sabemos, a Impressora é apenas um dos periféricos necessários para automação do ponto de venda. Sendo assim, a necessidade de abastecer o mercado (revendedores e clientes finais) no Brasil todo passou a ser latente. Para os fabricantes, isso representava um grande desafio pois seu DNA é o de produzir produtos. Fazer logística não é parte de suas funções. Logo, os distribuidores começaram a ser necessários. E, em 1998, os primeiros distribuidores “puros” começam a aparecer.

Empresas como BP Solutions, CDC Brasil e DN Automação começam, de forma tímida, a comprar produtos de fabricantes e a buscar revendedores para atender a demanda existente. São tempos difíceis, de desbravamento do Brasil, onde os distribuidores pegavam seus vendedores, entupiam os mesmos de produtos e treinamentos e pegavam na mão destes revendedores para ajuda-los a vender. É óbvio que usei a expressão “tempos difíceis” para ilustrar que todos estavam aprendendo a vender ainda. Era tudo novo. Porém, como também sabemos, as margens eram convidativas e permitiam ganhar muito dinheiro sem necessariamente possuir uma escala de vendas tão grande.

Também, neste contexto, um importante player aparece como alternativa de baixo custo para pequenos e médios clientes: a Bematech. Sim, a empresa que viria a se tornar o maior player do mercado de Automação Comercial representou uma grande oportunidade de negócios para os distribuidores citados acima. E, de Bematech em Bematech, a automação de varejo no Brasil foi se popularizando, chegando a todos os lugares possíveis e imagináveis. Tempos de vacas gordas, onde todos ganharam muito dinheiro. Pelo menos, até 2002… Mas isso é tema para um próximo Post.

Quer saber o que acontece depois? Leia aqui a quarta parte da história da automação comercial.

Um abraço a todos!

A série “História da Automação Comercial” foi escrita pelo parceiro Vitor Peixoto, originalmente para a nossa primeira versão deste blog, a Revolução do Varejo. Atualmente, Vitor escreve para o blog informa.ti, e o conteúdo dessa série está publicada neste post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *